Iniciativa

The Nature Conservancy

Apoio

Conservação Internacional
SOS Mata Atlântica
Ojidos e Marinho
Barra Mansa, no Rio de Janeiro, planeja investimentos para 2010 na área ambiental a fins de elevar a arrecadação do ICMS Ecológico Imprimir E-mail

No primeiro ano de vigência da lei do ICMS Ecológico no Rio de Janeiro, o município recebeu o valor de R$ 37.315,00 (trinta e sete mil trezentos e quinze reais), que deve aumentar consideravelmente em 2010, com os investimentos previstos para a área ambiental.

Uma das ações previstas pela Secretaria de Meio Ambiente é a implantação de cinco Unidades de Conservação: a Mata do Cafundó, no distrito de Rialto; a Serra do Rio Bonito, no distrito de Amparo; o Entorno da Floresta da Cicuta; as Ilhas do Paraíba do Sul e a Fazenda Bonsucesso, no distrito de Amparo. “Para ser implantada a Unidade de Conservação essas áreas precisam ser definidas através de georreferenciamento. Tem que ser formado um conselho gestor e elaborado um plano de manejo”, informou o Secretário de Meio Ambiente, Marco Chiesse. A previsão é de que até 30 de abril de 2010 o plano de ação dessas unidades esteja concluído.

Além disso, a prefeitura planeja implantar um sistema de tratamento de esgoto e construir um aterro sanitário, para a correta disposição dos resíduos sólidos, outros dois fatores que podem melhorar a pontuação do município para aumentar o repasse de recursos.

A criação da Secretaria de Meio Ambiente, que até 2008 era uma coordenadoria, também deverá ajudar na captação de mais recursos para os projetos ambientais, que atualmente são cerca de vinte. Entre eles estão o reflorestamento de morros, a recomposição de nascentes e da mata ciliar e a arborização urbana. “Na parte de resíduos sólidos temos o ecopneu que, desde que foi implantado, em 2005, já coletou mais de 150 mil pneus que não têm mais utilidade, além da coleta seletiva”, disse o secretário.

A intenção é ampliar o programa de coleta seletiva que funciona em poucos bairros, mas para isso será preciso conscientizar e mobilizar os moradores. Enquanto isso, o trabalho continuará sendo feito pela cooperativa de catadores, que atualmente funciona no bairro Ano Bom.

Marco Chiesse informou ainda que a secretaria também está investindo na educação ambiental. Foi elaborado um questionário que será encaminhado aos colégios da rede municipal, estadual e particular para avaliar como a questão ambiental é tratada na rede de ensino. “Queremos verificar se os colégios desenvolvem projetos ambientais, quais são e se existe interesse de implantar algum. Faremos um diagnóstico através desse questionário, além de incentivar a implantação de projetos ambientais”, explicou.

Fonte: Foco Regional, edição 407